AUTISMO E ALTERAÇÕES NO CEREBELO

Pesquisadores relatam que meninos no espectro do autismo tendem a ter menor complexidade na estrutura do lado direito do cerebelo do que aqueles sem autismo. As diferenças estruturais no cerebelo podem estar ligadas a alguns aspectos do transtorno do espectro do autismo, de acordo com um estudo de neuroimagem do Centro Médico Irving, da Universidade de Columbia (CUIMC), publicado na revista científica PLOS ONE em 11 de Julho de 2018.

O cerebelo - que significa "pequeno cérebro" em latim - constitui apenas 10% do volume total do cérebro, embora contenha 80% de todos os neurônios do cérebro humano. Pensava-se outrora que essa estrutura irregular do cérebro governava primariamente a função motora, mas estudos recentes sugerem que ela também desempenha um papel importante na aprendizagem implícita (extraindo as regras subjacentes sem instrução explícita), bem como em funções sensoriais e cognitivas.

A maioria dos estudos de imagem cerebral no autismo se concentra no cérebro, que é maior do que o cerebelo, apesar de ter menos neurônios. Isso é parcialmente por conta da forma única e irregular do cerebelo, que é difícil de analisar com técnicas de imagem convencionais. "Imagine olhar apenas 20 por cento dos neurônios do cérebro e tentar pintar um quadro abrangente do desenvolvimento atípico em humanos com base em conhecimento tão limitado", diz Kristina Denisova, PhD, autora sênior do estudo e professora assistente de Neurobiologia Clínica, na Faculdade Vagelos de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Columbia.

Para examinar essa região do cérebro estruturalmente complexa, os pesquisadores aplicaram uma técnica de alta resolução a dados de ressonância magnética para estimar a complexidade estrutural da camada externa do cerebelo em 20 meninos, de 8 à 12 anos, com autismo e 18 indivíduos saudáveis com faixa etária correspondente e com habilidades verbais e volume cerebelar semelhantes.

Eles observaram que os meninos com autismo tinham uma complexidade estrutural significativamente menor, indicando uma superfície mais plana, no córtex cerebelar direito em comparação com os controles. Como o lado direito do cerebelo apóia o processamento da linguagem, esse achado sugere que ter uma superfície cerebelar mais plana pode estar relacionada a dificuldades de comunicação em pessoas com autismo.

Em estudos anteriores, características atípicas no cerebelo estavam associadas ao autismo, mas os resultados eram inconsistentes. "Nosso estudo de imagens cerebrais é o primeiro a olhar para a estrutura do cerebelo enquanto controla o volume e outras variáveis ​​potencialmente confusas", diz Guihu Zhao, PhD, pesquisador no departamento de psiquiatria da Universidade Columbia Irving Medical Center e autor principal do artigo.

Os pesquisadores também observaram que a complexidade estrutural estava ligada a diferenças nas habilidades cognitivas e na comunicação das crianças - áreas que são freqüentemente afetadas pelo autismo. Em geral, os meninos com autismo que tinham melhores habilidades de comunicação social tinham uma estrutura cerebelar mais normal, assim como aqueles com maiores habilidades não-verbais em relação às habilidades verbais.

"Nossas descobertas sugerem que podemos precisar repensar o papel da função e estrutura cerebelar em indivíduos jovens em risco de desenvolvimento cerebral atípico", diz a Dra. Denisova. "Diferenças de percepção nos estágios iniciais da vida podem moldar o desenvolvimento cerebelar e explicar os achados estruturais atuais em meninos com autismo."

Dra. Denisova também acrescenta "uma interpretação das descobertas é que o aumento da complexidade estrutural do cerebelo pode melhorar a aprendizagem implícita em meninos com desenvolvimento atípico". Atualmente, os pesquisadores estão investigando essa questão em estudos de bebês e crianças em risco de desenvolver autismo mais tarde na vida.

Artigo original:
Zhao G, Walsh K, Long J, Gui W, Denisova K (2018) Reduced structural complexity of the right cerebellar cortex in male children with autism spectrum disorder. PLOS ONE 13(7): e0196964. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0196964

Fonte do texto e das imagens:

Columbia University (2018, July 11). Autism Linked to Cerebellum Shape. NeuroscienceNews. Retrieved July 11, 2018 from http://neurosciencenews.com/autism-cerebellum-9557/ - (texto adaptado em conteúdo e linguagem)

http://www.sonicsolutions.info/cerebellar-anatomy-mri/cerebellar-anatomy-mri-atlas-cerebellum-central-nervous-system-visual-perspectives/

https://www.sciencealert.com/woman-found-functioning-without-a-cerebellum-in-her-brain

Editado por

Matheus Araújo
Centro de Pesquisa em Neurociências

19/09/2018

whats.png