O EFEITO DA ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA NO RECONHECIMENTO DE EXPRESSÃO EMOCIONAL DE FACES POR PACIENTE EM QUADRO DE TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR.

O crescente aumento no número de casos de depressão evidencia a maior necessidade de investigação desse transtorno, de forma a permitir melhor eficácia no diagnóstico e na identificação dos aspectos psicológicos, sociais e biológicos que possam favorecer o tratamento. Os principais estudos na área buscam investigar aspectos relacionados à neuropsicofármacos, depressão no contexto de doenças crônicas e métodos de tratamento mais eficazes, como a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT), uma técnica não invasiva capaz de modular a atividade do córtex cerebral (Bittencourt, Caponi & Maluf, 2013; Fanger et al., 2010; Ribeiro, 2017).

 

Os principais problemas apresentados pelos pacientes tratados com a EMT são a depressão, a ansiedade, distúrbios do sono, problemas de memória, de concentração e de atenção. Exemplos são estudos, como o que foi realizado pelas universidades de Notre Dame e Wisconsin (EUA), em 2016, onde pacientes submetidos ao tratamento conseguiram lembrar de rostos, movimentos de orientação e palavras que eles julgavam ter esquecido.

O presente projeto tem como objetivo geral verificar os efeitos da Estimulação Magnética Transcraniana no reconhecimento das expressões emocionais de faces por pessoas com Transtorno Depressivo Maior. Busca-se ainda analisar como o tempo de resposta para o reconhecimento das expressões emocionais de faces se relaciona com o número de acertos do participante, investigar como esse reconhecimento é influenciado pela fase do acompanhamento terapêutico no qual o participante se encontra, mensurar a capacidade no reconhecimento das expressões de tristeza, alegria, medo e raiva em pacientes deprimidos no uso da EMT.

Neste estudo a hipótese é que a EMT melhora o desempenho no reconhecimento de expressões emocionais de faces em pacientes com Transtorno Depressivo Maior. Quanto aos materiais e métodos, voluntariaram-se 40 pessoas, na faixa etária entre 18 e 50 anos, participantes em acompanhamento pelo Centro de Atenção Psicossocial, no DF. Os participantes tem, como hipótese diagnóstica, o Transtorno Depressivo Maior (TDM), com o código F-32, referente a Classificação Internacional de Doenças 10 (CID-10). Serão aplicados os inventários de depressão, desesperança e ideação suicida de Beck, uma tarefa de reconhecimento facial realizada por num computador sensível ao toque e uma sessão de EMT, realizada durante 30 minutos no córtex pré-frontal dos participantes.

A pesquisa possui 4 condições experimentais:

Condição A: Participarão dessa condição, pessoas com TDM, que estão em uso do fármaco antidepressivo há, no máximo, 1 mês. Esse grupo passará pela aplicação da EMT.

Condição B: Participantes com TDM, que estão em uso de fármacos antidepressivos há, no máximo, 1 mês. Esse grupo passará por uma simulação da EMT.

Condição C: Participantes com TDM, que estão em uso de fármacos antidepressivos há, pelo menos, 6 meses e passarão pela aplicação da EMT.

Condição D: Participantes com TDM, que estão em tratamento há, pelo menos, 6 meses, que passarão por simulação de EMT.

Em cada condição experimental os participantes passarão por um pré-teste que consiste numa avaliação inicial do desempenho na tarefa de reconhecimento de expressões faciais antes de serem submetidos ao tratamento experimental, possibilitando, com isso, a posterior comparação dos resultados pré e pós tratamento.

Nos resultados, espera-se que a EMT potencialize a capacidade das pessoas com depressão maior de reconhecer expressões emocionais de faces, que está relacionada a uma melhor socialização e que pode ser uma ferramenta eficaz para a promover a qualidade de vida nas pessoas com TDM.

Apesar da EMT ser considerado um procedimento não-invasivo, alguns riscos devem ser considerados, tais como sudorese, taquicardia ou cefaleia. Além disso, por se tratar de pessoas com TDM deve se considerar riscos como fadiga e alterações do estado de humor na execução da tarefa do reconhecimento das expressões.

 

A aplicação da Estimulação Magnética Transcraniana repetida tem sido associada a benefícios como a melhora do estado de humor, das funções cognitivas (como memória e atenção) e da qualidade do sono. Também está associada à redução da ansiedade. Além disso, o reconhecimento de expressões emocionais de faces está relacionada à potencialização da funcionalidade do indivíduo, com melhora nas relações sociais e habilidades sociais. Dessa forma, a EMT pode favorecer o reconhecimento das expressões, permitindo que todos esses efeitos tragam maior satisfação às pessoas com TDM.

Editado por Matheus T. Araújo

Coordenador do Centro de Pesquisa em Nerociências IEPSE/IMPI

matheus@iepse.com.br

22/08/2018

whats.png