Buscar
  • IEPSE

QUANTA ATIVIDADE FÍSICA PRECISO PARA MELHORAR MINHA MEMÓRIA?

Resumo: O exercício físico tem efeitos benéficos sobre o funcionamento neurocognitivo, incluindo a memória episódica, que depende da atividade de uma estrutura cerebral chamada hipocampo. A intensidade e a duração do exercício mais efetivas para melhorar a função do hipocampo, no entanto, ainda não estavam tão claras. Em um novo estudo publicado na revista científica PNAS, dia 24 de Setembro de 2018, um grupo de pesquisadores da University of Tsukuba, Japão e da Universidade da Califórnia, EUA, demonstraram que um único exercício de 10 minutos com intensidade muito leve resulta em rápido aumento na atividade no hipocampo e em suas conexões com o córtex cerebral, sugerindo que exercícios breves e muito leves aumentam rapidamente a função da memória hipocampal.



Em nome de todos os humanos que buscam grandes resultados com pouco trabalho, qual é o mínimo de atividade física para receber aquele impulso cerebral eufórico que acompanha o exercício? Em um novo estudo no Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS), uma equipe de pesquisadores fez o trabalho para descobrir exatamente o quão rigorosa uma atividade física precisa ser para que comece a resultar em melhoras na cognição. Enquanto isso, o resto de nós observamos sentados em nossas cadeiras ergonômicas à espera de uma resposta.

Em uma reviravolta surpreendentemente razoável, os investigadores chegaram à um intervalo de tempo de dez minutos, além disso, a intensidade do treino não é nada à se temer. Apenas atividade moderada equivalente ao nível de intensidade do tai chi ou yoga. Você provavelmente nem vai suar.

Baseados em evidências de estudos anteriores, os investigadores desenvolveram a hipótese de que exercícios de intensidade muito leve podem estimular o hipocampo humano e melhorar a memória episódica, um tipo de memória de curto prazo comumente afetada em processos iniciais de demência. Para testar essa hipótese em humanos, a equipe aplicou um exercício aeróbico em 36 jovens adultos saudáveis durante 10 minutos e em seguida observaram a atividade cerebral, com técnicas de imagem cerebral (ressonância magnética funcional de alta resolução) enquanto os parcitipantes realizavam tarefas de memória episódica capazes de captar a atividade no hipocampo, para examinar substratos da função hipocampal potencializadas com o exercício.

​​

​📷📷

​ O cérebro experimenta "aumento da conectividade" no hipocampo apenas com esses esforços mínimos, disseram os autores do estudo Michael Yassa, Ph.D., neurobiólogo da Universidade da Califórnia em Irvine, e Hideaki Soya da Faculdade de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade de Tsukuba. Um leve treino de 10 minutos em uma bicicleta ergométrica fez uma enorme diferença nas imagens cerebrais, pois houve um aumento nos sinais dos neurônios, o que foi correlacionado ao melhor desempenho em um teste de memória.

Dez minutos de exercício não são suficientes para criar novos neurônios, mas se você estiver se sentindo ambicioso, a pesquisa anterior de Yassa mostra que, durante longos períodos de tempo, é possível criar um novo lote de neurônios. Então, talvez considere reservar 0,694 por cento do dia para algum exercício moderado. Pesquisadores do laboratório da Soya já estão praticando o que pregam, fazendo caminhadas de 10 minutos como uma pausa do trabalho. Se eles conseguiram tempo para por a pesquisa em prática, o resto de nós também pode.

​​

Artigo original: Rapid stimulation of human dentate gyrus function with acute mild exercise. Kazuya Suwabe, Kyeongho Byun, Kazuki Hyodo, Zachariah M. Reagh, Jared M. Roberts, Akira Matsushita, Kousaku Saotome, Genta Ochi, Takemune Fukuie, Kenji Suzuki, Yoshiyuki Sankai, Michael A. Yassa, Hideaki Soya. Proceedings of the National Academy of Sciences Sep 2018, 201805668; DOI: 10.1073/pnas.1805668115

Fonte do texto e das imagens:

Scientists Reveal How Much Exercise You Actually Need for a Better Memory. Inverse. By Tiffany Jeung on September 26, 2018, from  - (texto adaptado em conteúdo e linguagem)

Editado por

Matheus Araújo Centro de Pesquisa em Neurociências

03/10/2018

7 visualizações
whats.png