PRIMEIROS GENES DE RISCO PRA O TDAH IDENTIFICADOS

Pesquisadores fizeram um grande avanço na compreensão do desenvolvimento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Em um novo estudo, um grupo internacional de pesquisa revelou que identificaram variantes genéticas específicas que aumentam o risco de TDAH.

Nossos genes são muito importantes para o desenvolvimento de transtornos mentais - incluindo o TDAH, em que fatores genéticos capturam até 75% do risco. Até agora, a busca por esses genes ainda não produziu resultados claros. Pesquisadores do Consórcio de Genômica Psiquiátrica compararam a variação genética em todo o genoma para mais de 20.000 pessoas com TDAH e 35.000 que não sofrem com isso - encontrando doze locais onde pessoas com uma variante genética específica têm um risco aumentado de TDAH em comparação àquelas que não apresentam a variante. Os resultados do estudo acabam de ser publicados na revista científica Nature Genetics.

“A grande quantidade de dados nos permitiu encontrar, pela primeira vez, locais no genoma onde pessoas com TDAH se diferenciam daqueles que são saudáveis. A busca por tais variantes de risco genético para o TDAH tem durado décadas, mas sem obter resultados robustos. Desta vez, realmente expandimos substancialmente o número de sujeitos do estudo, aumentando o poder de obter resultados conclusivos de forma significativa. Em particular, incluímos um grande número do grupo dinamarquês iPSYCH, representando mais de 2/3 da amostra total do estudo internacional ”, explica a professora adjunta Ditte Demontis, da Universidade de Aarhus.

Ela, juntamente com Raymond Walters do Massachusetts General Hospital, são os principais autores do estudo, trabalhando como parte do grupo de TDAH do Consórcio de Genômica Psiquiátrica, um consórcio internacional de pesquisadores dedicados a descobrir os fatores genéticos que dão origem ao TDAH.

Essas descobertas genéticas fornecem novos insights sobre a biologia por trás do desenvolvimento do TDAH. Por exemplo, alguns desses genes são importantes para o processo de comunicação dos neurônios, enquanto outros são importantes para as funções cognitivas, como a linguagem e a aprendizagem. "No geral, os resultados

mostram que as variantes de risco normalmente regulam o quantoum gene é

expresso e que os genes afetados são expressos principalmente no cérebro",

explica a professora Demontis.

No estudo, os pesquisadores também compararam os novos resultados com os de

um estudo genético de medidas contínuas de comportamentos de TDAH na

população em geral. Os pesquisadores descobriram que as mesmas variantes

genéticas que dão origem a um diagnóstico de TDAH também afetam a desatenção

e a impulsividade na população em geral.

“As variantes de risco são, portanto, generalizadas na população. Quanto mais

variantes de risco você tiver, maior será sua tendência a ter características

semelhantes ao TDAH, assim como seu risco de desenvolver TDAH”, diz o

professor Anders Børglum, da Universidade de Aarhus. Ele é chefe de pesquisa da

iPSYCH e um dos principais pesquisadores que dirigiu o estudo, juntamente com

os professores Stephen Faraone da SUNY Upstate Medical University e Benjamin

Neale do Massachusetts General Hospital e do Broad Institute.

“Também estudamos a sobreposição genética com outras doenças e características. Através disso, encontramos uma forte correlação genética negativa entre o TDAH e a educação. Isso significa que, em média, as variantes genéticas que aumentam o risco de TDAH também influenciam negativamente o desempenho escolar para as pessoas na população geral que carregam essas variantes sem ter TDAH ”, diz Ditte Demontis. Por outro lado, o estudo encontrou uma correlação positiva entre TDAH e obesidade, aumento do Índice de Massa Corporal e diabetes tipo 2, o que equivale a dizer que as variantes que aumentam o risco de TDAH também aumentam o risco de sobrepeso e diabetes tipo 2 na população.

“Esses resultados também ressaltam a importância da colaboração entre grupos científicos para avançar nos esforços de novas descobertas. É somente através do compartilhamento de dados e trabalhando juntos que conseguimos encontrar essas regiões do genoma ”, explica o Dr. Benjamin Neale.

“As novas descobertas significam que nós agora - depois de muitos anos de pesquisa - finalmente temos descobertas genéticas robustas que podem informar sobre a biologia subjacente e que papel a genética desempenha nas doenças e características que freqüentemente coocorrem com o TDAH. Além disso, o estudo é uma base importante para futuras pesquisas sobre o TDAH. Agora podemos direcionar nossos estudos, para que possamos alcançar uma compreensão mais profunda de como os genes de risco afetam o desenvolvimento do transtorno, com o objetivo de, finalmente, oferecer melhor ajuda às pessoas com TDAH ”, diz Anders Børglum.

“Nós lançamos as bases para futuros trabalhos que esclarecerão como os riscos genéticos se combinam com os riscos ambientais para causar o TDAH. Enquanto as peças desse quebra-cabeça se juntam, os pesquisadores são cada vez mais capazes de melhorar o diagnóstico e o tratamento do TDAH ”, diz o professor Stephen Faraone.

 

Tipo de estudo:

As variantes de risco genético para o TDAH podem ser encontradas através do rastreamento de todo o genoma em um grande número de pessoas com TDAH e comparando-as com indivíduos saudáveis. Se uma variante genética é encontrada para ser suficientemente mais comum em pessoas com TDAH em comparação com indivíduos saudáveis, os pesquisadores podem concluir que a variante mais provável afeta o risco de sofrer do transtorno. Um total de 20.183 pessoas com TDAH e 35.191 controles foram examinados, incluindo uma contribuição substancial da iPSYCH, que coletou informações genéticas de 14.584 pessoas com TDAH e 22.492 pessoas em um grupo controle.

Artigo original:

Demontis D, Walters R, Neale B.M, et. al. (2018) Discovery of the first genome-wide significant risk loci for attention deficit/hyperactivity disorder. Nature Genetics ISSN 1546-1718 (online). DOI: https://doi.org/10.1038/s41588-018-0269-7

Resumo do artigo original:

Descoberta dos primeiros locos de risco significativo para todo o genoma no transtorno de déficit de atenção / hiperatividade

O transtorno de déficit de atenção / hiperatividade (TDAH) é um transtorno comportamental da infância altamente hereditário que afeta 5% das crianças e 2,5% dos adultos. Variantes genéticas comuns contribuem substancialmente para a suscetibilidade ao TDAH, mas nenhuma variante tem sido robustamente associada ao TDAH. Nós relatamos uma metanálise de associação genômica de 20.183 indivíduos diagnosticados com TDAH e 35.191 controles, que identifica variantes superando a significância genômica em 12 loci independentes, encontrando novas informações importantes sobre a biologia subjacente do TDAH. Associações são enriquecidas em regiões genômicas evolutivamente restritas e genes intolerantes à perda de função e em torno de marcas reguladoras expressas no cérebro. Análises de três estudos de replicação: uma coorte de indivíduos diagnosticados com TDAH, uma amostra de auto-relato de TDAH e uma meta-análise de medidas quantitativas de sintomas de TDAH na população, apoiam esses achados, ao mesmo tempo em que destacam as diferenças específicas do estudo sobre a sobreposição genética com o sucesso educacional. A forte concordância com os GWAS de medidas populacionais quantitativas de sintomas de TDAH sustenta que o diagnóstico clínico de TDAH é uma expressão extrema de traços hereditários contínuos.

Fonte do texto:

Aarhus University(2018, November 27). First Risk Genes for ADHD Discovered. NeuroscienceNews. Retrieved November 27, 2018 from http://neurosciencenews.com/adhd-risk-genes-10268/ - (texto adaptado em conteúdo e linguagem)

 

Editado por

Matheus Araújo

Centro de Pesquisa em Neurociências

29/11/2018

https://www.redbubble.com

whats.png